Com Bertold Brecht, “Desertores” exibe a flor e a náusea do mundo atual

Em Desertores, do coletivo Alfenim, o teatro é um meio de intervir socialmente e de educar para a transformação – sem deixar de lado o artesanato estético. Selecionado pelo Rumos 2017-2018, o projeto visa a um diagnóstico do Brasil contemporâneo a partir de uma obra menos acessada do dramaturgo alemão Bertold Brecht (1898-1956), o Complexo Fatzer ou Material Fatzer – um agregado de frações de dramaturgia e reflexões do autor que, define o diretor Márcio Marciano, “tanto formal quanto tematicamente, dialoga profundamente com o momento de transe social e político que o Brasil atravessa hoje”. O grupo está em fase final de construção da peça.

Escrito por seis anos, Material Fatzer foi dividido por Brecht em duas categorias: documento e comentário. O primeiro, explica Márcio, traz “fragmentos e esboços de cena”. O segundo, “as reflexões e observações críticas do ‘autor de peças’ sobre o processo de escrita e sua função no contexto de um projeto poético-político-pedagógico para o teatro”. Em suma, registra o diretor, “aponta para a simultaneidade entre a composição ficcional e a reflexão crítica de sua eficácia, o que antecipa procedimentos da dramaturgia contemporânea”.

“O desejo vem de longe”, conta Márcio sobre seu contato com a obra, “não exatamente de montar Fatzer, mas de estudar o material, sobretudo por Brecht referir-se a ele como do ‘mais alto padrão técnico’. Queria entender na prática o que ele quis dizer, verificando na sala com os atores o alcance da cena, não apenas pelo que efetivamente ela diz, mas por como se constrói o discurso, que é de alta voltagem e densidade poéticas”. Desde 2016, aproxima-se do trabalho. No início de 2019, após mais uma imersão, decidiram “encarar uma montagem”.

Encarar é verbo adequado, pois, como Márcio sublinha, “Fatzer impõe enormes desafios, seja da ordem da dramaturgia, seja da ordem da atuação”. E foi trabalhando com o texto que isso se mostrou claramente: “O corpo a corpo com a matéria bruta nos levou a perceber a enormidade do tema”. Levou-os também a um aprendizado do “método dialético da construção das cenas, uma dialética negativa no mais alto grau” [a dialética, no sentido que recebe desde os trabalhos de Hegel (1770-1831), filósofo alemão, consiste em um modo de pensar a realidade que segue suas transformações no tempo, admitindo as contradições como mecanismo de mudança. Já o termo dialética negativa se refere à reelaboração do conceito hegeliano por Theodor Adorno (1903-1969)]. Esse método, diz o entrevistado, “nos ensinou a duvidar das soluções imediatas”.

De acordo com o projeto brechtiano, Alfenim constrói um trabalho cujos objetivos são tanto estéticos quanto políticos e pedagógicos. “Acredito que um espetáculo atinge seu objetivo”, fala Márcio, “quando oferece ao público, de forma lúdica e prazerosa, elementos para a construção de um pensamento crítico acerca de sua condição”. Esse direcionamento marca a trajetória do coletivo, que “procura refletir sobre os aspectos contraditórios de nossa formação social. Nesse sentido, Fatzer nos ajuda a desvelar os mecanismos da ordem capitalista e os mascaramentos atuais da luta de classes”. Porém, ressalta ele, tudo isso “não deve ser buscado em detrimento do caráter artístico. A pedagogia no teatro somente se realiza enquanto fruição estética”.

Estético e pedagógico, portanto, e, como notamos, político – essas atividades, defende Márcio, “podem contribuir para uma intervenção ou ajudar na educação com vistas a transformações sociais”. Nesse sentido, comenta o diretor, “interessa-nos refletir sobre nossa impotência como indivíduos incapazes de dar uma resposta coletiva aos disparates da atualidade – isso porque a resposta implica uma ação violenta e o medo nos imobiliza”. O conteúdo de Desertores “pode nos alimentar e dar sentido a uma resistência que se torna mais e mais atual e necessária”.

Compor um espetáculo com essa perspectiva, continua ele, demanda “dispor-se a construir não apenas um, mas muitos pontos de vista sobre a realidade, de modo a revelar suas contradições e forças em disputa”. Essa diversidade de visões marcou todo o processo criativo de Desertores, que partiu de oficinas e debates com outros criadores. Nesta semana, isso prossegue: o coletivo realiza nos dias 30 de agosto e 1 e 2 de setembro ensaios abertos para os quais foram convidados provocadores de debate. “O que vamos apresentar já possui o acabamento de uma montagem, contudo, ainda precisamos dessa nova fase de diálogo para uma avaliação mais precisa do que é necessário corrigir, alterar, reescrever. Não descartamos a hipótese de voltar à sala de ensaios e rever o projeto como um todo. O olhar distanciado do público pode no auxiliar nisso.”

Ao mesmo tempo que itinera com outras peças suas – em setembro, seis cidades do interior da Paraíba recebem Helenas; em outubro, Rio de Janeiro e Vitória assistem a Memórias de um Cão –, o Alfenim, projeta Márcio, quer manter Desertores em cartaz na sede do grupo, a Casa Amarela. Em 2020, “pretendemos circular pelo país – mas ainda não temos fonte de financiamento”. O diretor afirma que montar a peça é um “foco de resistência” em “tempos de fezes” – citando o poema “A Flor e a Náusea”, de Carlos Drummond de Andrade, que verseja:

Olhos sujos no relógio da torre:
não, o tempo não chegou de completa justiça.
O tempo é ainda de fezes, maus poemas, alucinações e espera.

O trecho parece mesmo dar o tom do contexto em que busca intervir Desertores, do texto que o inspira e do processo de criação que o gerou – com efeito, a montagem aponta, como o poema, o nascimento de uma flor que fure “o asfalto, o tédio, o nojo e o ódio”. Esse, todavia, não é um processo acabado: “Ainda temos muitas dúvidas sobre a montagem, mas Alfenim sai muito mais maduro dessa experiência de radicalidade estética e política”.

Duanne Ribeiro é jornalista, escritor e pesquisador em ciência da informação e filosofia. Em jornalismo, formou-se pela Universidade Santa Cecília (Unisanta). É mestre em Ciência da Informação — com a dissertação “A Criatividade do Excesso – Historicidade, Conceito e Produtividade da Sobrecarga de Informação” —, bacharel em Filosofia pela Universidade de São Paulo e especializado em Gestão de Projetos Culturais pelo Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (Celacc), ligado à USP. Publicou, pela editora Patuá, o romance As Esferas do Dragão (2019). É analista de comunicação para o Itaú Cultural e editor da revista Úrsula.
Post criado 294

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo