Destaques
Sobre o autor

Duanne Ribeiro é jornalista, escritor e pesquisador em ciência da informação e filosofia. Em jornalismo, formou-se pela Universidade Santa Cecília (Unisanta). É mestre em Ciência da Informação — com a dissertação “A Criatividade do Excesso – Historicidade, Conceito e Produtividade da Sobrecarga de Informação” —, bacharel em Filosofia pela Universidade de São Paulo e especializado em Gestão de Projetos Culturais pelo Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (Celacc), ligado à USP. Publicou, pela editora Patuá, o romance As Esferas do Dragão (2019). É analista de comunicação para o Itaú Cultural e editor da revista Úrsula.

Inscreva-se na newsletter

Semanalmente (mais ou menos, sabe como é a vida), crônicas, comentários, pensamentos, produção e curadoria de conteúdo sobre atualidades, filosofia, cultura e outras áreas. Ainda, acompanhe novidades deste blog e da Úrsula.

Veja os envios anteriores.

#mc_embed_signup{background:#fff; clear:left; font:14px Helvetica,Arial,sans-serif; width:100%;} /* Add your own Mailchimp form style overrides in your site stylesheet or in this style block. We recommend moving this block and the preceding CSS link to the HEAD of your HTML file. */
Páginas Especiais

As Esferas do Dragão

Uma aventura em meio aos universos simbólicos que constituem a nossa identidade — sejam eles as narrativas da literatura, da música ou da cultura pop, sejam elas as pessoas do nosso convívio. É, ao mesmo tempo, fantasia e depoimento autobiográfico: sobrepõe a história da morte do meu avô, o impacto que teve sobre mim, e uma epopeia em que reúno as sete esferas mágicas do desenho Dragon Ball para ressuscitá-lo. O estilo mistura vida e da invenção, o realismo “sério” e e referentes que podem ser considerados ingênuos. Produz, além disso, vários níveis de imersão: não busca uma “transparência”, mas comunicar âmbitos diferentes a quem tenha chaves de acesso ou engajamento diferentes; isto é, constrói um daqueles universos simbólicos, com suas intensidades e lacunas.

Saiba mais na página do livro.

Foto de Markus Goller

A Criatividade do Excesso

Minha dissertação de mestrado enfocou a chamada “sobrecarga de informação” — circunstância em que os sujeitos ou os grupos que têm de lidar com determinada quantidade de conteúdo se sentem incapazes de fazê-lo, por diversos motivos. Apesar de poder ser vista como uma experiência propriamente contemporânea, há relatos do tipo desde a antiguidade. Desde lá, também, os produtores de conhecimento souberam se reinventar a cada vez que soterrados pelos saberes. Saiba mais na página da pesquisa.