Guimarães e Foucault anunciam o perigo

Uma afinidade entre Michel Foucault e Guimarães Rosa? O escritor, em Grande Sertão: Veredas, pela voz do seu protagonista, afirma que “viver é muito perigoso” e “o diabo não há! existe é o homem humano”. O filósofo, em certa entrevista, explicou que o seu “ponto não é que tudo é ruim, mas que tudo é perigoso”. A inexistência do diabo em Guimarães aponta a uma inexistência (agostiniana?) do mal; e esse “não é que é tudo ruim” (ou seja, não é que tudo seja “prisão”, “opressão”, “controle”) do lado de Foucault igualmente não crê em algo perene e coeso que nos acue. Ambos tratam do perigo, risco e indeterminação constantes de toda prática. E se o herdeiro de Nietzsche se dedica à movimentação da história, sua sucessão de formas conflitantes de pensamento e ética — mundos distintos, praticamente — , o diplomata que se educou com os sertanejos fecha seu livro com a palavra “travessia”. Devir, lá e cá.

Duanne Ribeiro é jornalista, escritor e pesquisador em ciência da informação e filosofia. Em jornalismo, formou-se pela Universidade Santa Cecília (Unisanta). É mestre em Ciência da Informação — com a dissertação “A Criatividade do Excesso – Historicidade, Conceito e Produtividade da Sobrecarga de Informação” —, bacharel em Filosofia pela Universidade de São Paulo e especializado em Gestão de Projetos Culturais pelo Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (Celacc), ligado à USP. Publicou, pela editora Patuá, o romance As Esferas do Dragão (2019). É analista de comunicação para o Itaú Cultural e editor da revista Úrsula.
Post criado 291

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo