Da Crítica Literária: Sérgio Tavares

Em 1943, Antonio Candido, um dos mais importantes críticos literários da história do país, iniciou a publicação de colunas na Folha de S.Paulo. O primeiro artigo, chamado “Ouverture“, fazia uma reflexão sobre o trabalho da crítica, e estabelecia os critérios para a futura atuação do autor naquele espaço. A partir desse texto — extraindo dele algumas perguntas —, desenvolvi uma série de entrevistas aqui no blog com críticos literários brasileiros.

Falamos com Sérgio Tavares, jornalista e escritor, autor dos romances Queda da Própria Altura e Cavala (vencedor do Prêmio Sesc de Literatura). Mantém os blogs A Nova Crítica e Drops, extensão do anterior com abordagens mais curtas.

Acesse todos os textos publicados na série Da Crítica Literária.

O que é a crítica para você?

Gosto de pensar a crítica como um guia para apresentar e aproximar o leitor de um livro.

No campo da crítica, qual a sua ética?

Minha ética é a imparcialidade, a completa liberdade para expressar minhas impressões, independente de como serão recebidas pelo meio.

Quais imposições que se faz?

Ler com o máximo de atenção, fazer os apontamentos mais detalhados e usá-los para dar forma a um texto que seja uma mescla entre experiência subjetiva e conhecimento técnico.

Quais os princípios de trabalho com os quais não transige?

Ser coerente e justo com minhas percepções e, consequentemente, ser coerente e justo com o livro. Não tenho interesse algum em escrever crítica negativa para me autopromover. Acho cafona. Por mais brilhante que seja o texto crítico, ele nunca será maior que o livro, pelo simples fato de que não existiria se não houvesse o livro.

Qual a qualidade básica no trabalho do crítico?

Escrever sobre o livro que existe e não sobre o livro que ele gostaria que existisse.

Quando o crítico sabe que sua missão está cumprida?

Quando alguém lhe confessa que chegou até um livro por conta de seu texto.

O que seria um crítico sem doutrina?

Aquele que tem editora ou autor de estimação.

 

Duanne Ribeiro é jornalista, escritor e pesquisador em ciência da informação e filosofia. Em jornalismo, formou-se pela Universidade Santa Cecília (Unisanta). É mestre em Ciência da Informação — com a dissertação “A Criatividade do Excesso – Historicidade, Conceito e Produtividade da Sobrecarga de Informação” —, bacharel em Filosofia pela Universidade de São Paulo e especializado em Gestão de Projetos Culturais pelo Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação (Celacc), ligado à USP. Publicou, pela editora Patuá, o romance As Esferas do Dragão (2019). É analista de comunicação para o Itaú Cultural e editor da revista Úrsula.
Post criado 286

Um comentário sobre “Da Crítica Literária: Sérgio Tavares

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Posts Relacionados

Comece a digitar sua pesquisa acima e pressione Enter para pesquisar. Pressione ESC para cancelar.

De volta ao topo