Rumos Cinema e Vídeo 2009-2011

Posted Leave a commentPosted in Sem categoria

Minhas entrevistas com os selecionados do edital 2009-2011 do Rumos Cinema e Vídeo, para o DVD da exposição dos resultados finais. Entre cineastas, artistas visuais, arquitetos e programadores, conversei com Julia Mariano, do grupo realizador de Sinfonia; Sandro Canavezzi, de Pelas Fendas; Raimo Benedetti, de Sequenze; Arthur Omar, de Alquimia da Velocidade; Daniel Lisboa, de Cellphone; Kátia Maciel, de Casa-Construção; André Guerreiro Lopes, […]

Elefante, Saramago, Realengo

Posted Leave a commentPosted in Sem categoria

Publiquei no Digestivo Cultural a crítica Perfil Indireto do Assassino, sobre o “Massacre do Realengo“, tragédia em que Wellington Menezes de Oliveira invadiu uma escola e assassinou doze adolescentes. O texto procura explorar, de longe, a psicologia do criminoso, através do filme Elefante, de Gus Vant Sant. Eu escrevi: Tiros em Columbine identifica culpados e vislumbra ações políticas que nos dariam […]

Ônibus

Posted Leave a commentPosted in Sem categoria

Publiquei no Digestivo Cultural a crônica Manual para o leitor de transporte público. Eu escrevi: O ônibus segue a dois centímetros/hora, mas a tensão do trânsito paulista não me engole e é feito Haroldo de Campos que escapo: “o livro me salva me alegra me alaga“. Como, onde, quando é que você lê, leitor? Eu geralmente só leio no transporte público, nas […]

O Sentido Intenso da Arte

Posted Leave a commentPosted in Sem categoria

Publiquei no Digestivo Cultural a crítica Bailarina salta à morte, ou: Cisne Negro, sobre o filme de Darren Aronofsky. O texto se insere no debate sobre a obra, ao mesmo tempo resenhando-a e rebatendo as críticas a ela. Eu escrevi: O longa é um drama contado com elementos do suspense e do terror, assim como é uma releitura de […]

Revolta e Mídias Sociais

Posted 1 CommentPosted in Sem categoria

As recentes revoltas no Egito, assim como a revolução da Tunísia, contaram com expressivo uso das mídias sociais, tanto para mobilização dos protestantes quanto para divulgação dos protestos pelo mundo (o que também ocorreu com Honduras e Irã). Porém, ainda é uma questão aberta se esse uso das redes foi determinante ou assessório às manifestações. […]