Crítica Cultural
Publicado em

[Azure Dreams (1998), Playstation] “Você fez bem: é um menino”. Sou surpreendido por essa expressão do machismo logo no primeiro diálogo. (Embora alguém possa me dizer que essa é uma crítica anacrônica, dada a inspiração medieval do jogo). Não há opção de jogar como menina.

Crítica Cultural
Publicado em

[Piratas do Tietê – A Saga Completavolume 3, pg. 110, Devir Editora. Arte e roteiros de Laerte, edição e projeto gráfico de Toninho Mendes] Laerte encontra Fernando Pessoa: hordas bêbadas de poesia avançam contra a galera dos Piratas do Tietê gritando versos: “Deus está morto-vivo! A civilização gagueja!”.

Crítica Cultural
Publicado em

[Vandal Hearts (1997), Playstation] Uma referência a O Mágico de Oz (1939), de Victor Fleming. Os personagens são engolidos por um vórtice que esgarça o “tecido do espaço-tempo” (o vocabulário é anacrônico dentro da ambientação medieval do jogo), caem em outra dimensão e fazem esse comentário de efeito (impossível para eles, mas o roteirista pôs assim mesmo). A frase “eu acho que não estamos mais no Kansas” e suas variantes, eu descobri por conta deste post, foi usada incessantemente pelo cinema. Duvido você reconhecer todos os filmes que a usaram e que estão neste vídeo.

Crítica Cultural

Uma Corrente Estranha

Publicado em

[Almas Mortas, Nikolai Gogol, página 76, Nova Cultural, 2003] “Mas por que será que, no meio dos momentos mais leves, alegres e despreocupados, ás vezes surge por si mesma uma corrente estranha? O riso ainda nem teve tempo de se apagar do nosso semblante, e já nos transformamos em outro, entre as mesmas pessoas, e já é outra a luz que ilumina o nosso rosto…”

Crítica Cultural

Página Branca em Mãos Hábeis

Publicado em

[House of Cards, 1ª Temporada, episódio 6, em 24’09’’] “What’s better than a blank slate in the right hands?”, responde Frank Underwood à objeção de que sua indicação para candidato a governador não era conhecida nem tinha estrutura. O que é melhor do que uma folha branca em mãos capazes? Lembrei dos “postes” do Lula — Fernando Haddad, Alexandre Padilha — políticos que o ex-presidente bancou com sua expertise. Desconsidere as manobras espúrias da série: o que importa aqui é o que se pode desenvolver a partir de um elemento fresco.