Crítica CulturalDossiê de Traços e Tropos

O Pano de Fundo da Garota

A mulher é vista em contraposição a um cenário. Nos dois exemplos citados aqui, coincidência ou constitutivo do tropo, é observada em um carro, no banco do passageiro.

my days end best when the sunset gets itself behind
that little lady sitting on the passenger side;
it’s much less picturesque without her catching the light
— the horizon tries but it’s just not as kind on the eyes

Interessante, nesses versos, que é a mulher quem faz a fotogenia da paisagem; faz, da natureza, pintura. Esse fato é informado com deliciosa ironia na última linha: o horizonte se esforça, mas, coitado, sem ela, não dá pra ele.

  • O Arco-íris da Gravidade, Thomas Pynchon, p. 41

O rosto dela contra janela embaçada tornou-se mais um vulto vago, mais uma ilusão de óptica do inverno. Atrás de seu rosto passa a fratura branca da chuva.

Ressalte-se os somados graus de obnubilação nesse trecho: “embaçada”, “vulto”, “vago”, “ilusão de óptica” e o ruído branco da chuva volumosa. Resta de mundo e mulher derretidos como que só a convicção que há mulher; a ideia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *